Uma postagem sobre conjuntos e neolinguagem inspirada por respostas erradas

Um texto para quem pretende ensinar sobre conjuntos de linguagem, mas que também pode servir para quem só tem conhecimentos básicos sobre o assunto.

Observação: Para evitar a possibilidade de gente mal intencionada tomando vantagem deste texto, todas as perguntas mencionadas são diferentes ou modificadas em relação às que realmente são usadas com frequência no processo de entrada no servidor.




Contexto

Texto relevante: Tudo, ou pelo menos muita coisa, sobre linguagem pessoal

Para ter acesso à maioria dos canais no servidor de Discord atual do Orientando, pessoas precisam responder algumas perguntas (geralmente genéricas, como "o quanto você entende de questões LGBTQIAPN+" ou "por que você quer entrar no servidor". Esta foi uma medida criada para que trolls não tenham acesso aos perfis de quem está no servidor apenas com um clique. Há uma série de perguntas prontas em um dos canais da administração, e quem está na equipe pode escolher entre as perguntas disponíveis ou entre perguntas que quiserem fazer ou que acharem adequadas de acordo com as circunstâncias de cada pessoa tentando entrar.

Com o passar do tempo, decidimos entre a equipe do Discord que seria útil incluir obrigatoriamente alguma pergunta sobre conjunto de linguagem (no modelo artigo/pronome/final de palavra). Afinal, houveram diversos incidentes onde pessoas que já estavam no servidor fazia tempo mostraram não entender como funcionavam os conjuntos de linguagem alheios (por exemplo, alguém que usa -/elu/e poderia ser maldenominade por alguém que achava que "elu/e" se referia a usar elu ou ele, e não ao final de palavra e). Isso não é nada legal em um servidor onde ao menos uma a cada cinco contas usa algum conjunto que difere de a/ela/a, o/ele/o e e/elu/e.

A adição deste tipo de pergunta foi bastante positiva. Não só pessoas entravam no servidor com um entendimento melhor de como conjuntos funcionam, como pessoas desistiam de entrar no servidor quando percebiam que iríamos exigir respeito a "pronomes estranhos". Por mais que seja irritante explicar dezenas de vezes coisas como "neolinguagem é só quando o elemento já não existe na norma, a/ela/a não é neolinguagem", "não existe só conjunto masculino, feminino e neutro" ou "saber colocar e no final das palavras não é tudo o que você precisa saber pra respeitar conjuntos de linguagem alheios", me sinto bem em saber que mais pessoas possuem um entendimento ao menos um pouquinho maior de neolinguagem e de como usar artigo/pronome/final de palavra ao entrar no servidor, especialmente quando isso ajuda o sistema a ser entendido em outros lugares também.

Eu geralmente só passo perguntas sobre a aplicação de conjuntos após passar uma pergunta sobre a pessoa conhecer o sistema artigo/pronome/final de palavra. Geralmente a resposta é não, e daí eu passo este link (caso alguém esteja se perguntando, sim, a imagem possui descrição com seu texto), falo que qualquer dúvida é só perguntar, e só depois passo a pergunta que realmente interessa.

Embora cada ume na equipe possa, se quiser, inventar as próprias perguntas sobre conjuntos, eu já deixei várias prontas. Existem basicamente três tipos de perguntas prontas:

  • Substituição ("copie a frase tal, mas use tal conjunto ao invés do conjunto atual da frase");
  • Alternativa certa ("escolha a alternativa que está usando corretamente o conjunto tal");
  • Frase livre ("faça uma frase sobre alguém que usa tal conjunto").

Nas perguntas prontas, tento só colocar em foco o artigo, o pronome e o final de palavra em seus formatos mais óbvios. Algumas palavras como "dy", "ume", "boe" e "déli" podem aparecer, mas a ideia é que ninguém precisa saber se a forma plural de professore é professores, professories, professorus, professóries, professôrus ou outra, ou se ume artista que usa e/elu/e é éssu artista, essu artista, éssie artista, essie artista ou esse artista. Afinal, estas são coisas que não são ensinadas em definições básicas de como se usa artigo/pronome/final de palavra, além de atualmente dependerem bastante de preferências pessoais por não haverem padrões amplamente divulgados.

Mesmo assim, muita gente erra.

Tem gente que erra uma vez, percebe que trocou artigo com final de palavra ou outra coisa pequena, e acerta depois do erro ser explicado. Também tem gente que erra várias vezes. Algumas destas pessoas eventualmente acertam, outras desistem. Cada pessoa tem sua própria jornada, e eu não acho que quem errou alguma pergunta tenha necessariamente mais chance de maldenominar pessoas ou menos chance de quebrar vícios de linguagem como usar o/ele/o como linguagem universal. Meu ponto com este texto não é envergonhar qualquer pessoa que já errou alguma pergunta assim.

O que acho legal é que estes erros mostram certas concepções errôneas sobre neolinguagem e conjuntos, que podem ajudar pessoas que fazem materiais sobre isso a explicar melhor para tirar essas dúvidas. Essas explicações também têm o objetivo de ajudar pessoas que não sabem muito sobre conjuntos de linguagem a entender melhor sobre isso, para que evitem estes erros no futuro.

Erros comuns

Tem uma pergunta que é basicamente assim:

Ari usa i/ilae/ae. A frase que usa o conjunto de linguagem pessoal certo para Ari é:

A. Ae Ari é demineutrae. Ou seja, o gênero delu é parcialmente neutro.

B. Ari é demineutrae. Ou seja, ae gênerae delu é parcialmente neutrae.

C. Ae Ari é demineutri. Ou seja, o gênero dilae é parcialmente neutro.

D. I Ari é demineutrae. Ou seja, o gênero dilae é parcialmente neutro.

E. I Ari é demineutrae. Ou seja, o gênero dele é parcialmente neutro.

Muita gente acaba escolhendo a resposta B, ou concordando que o resto da frase deveria ser algo como "suae gênerae é parcialmente neutrae" e que portanto todas as alternativas estão incorretas.

Enquanto existem pessoas que gostam de flexionar a palavra gênero, a maioria ainda usa o/ele/o para ela, assim como usam o/ele/o para computador ou vaso. A maioria das pessoas diria "este é o computador dela", e não "esta é a computadora dela" quando se referem ao computador de uma pessoa que usa a/ela/a, então não há a necessidade de se referir ao gênero de alguém com o mesmo conjunto de linguagem da pessoa (a não ser que tal pessoa queira isso).

Porém, o erro que mais importa na alternativa B é que se refere a Ari como elu ao usar a contração delu, quando o único pronome providenciado foi ilae. A contração certa seria dilae, assim como se usa dele para quem usa o pronome ele, delu para quem usa o pronome elu e delz para quem usa o pronome elz.

Outra resposta comum é C. Talvez por ser comum pessoas terem o mesmo artigo e final de palavra, muita gente acaba escolhendo respostas que estariam certas se não trocassem os dois elementos. Mas é esse o caso aqui: C usa ae/ilae/i, quando o conjunto pedido foi i/ilae/ae.

O truque é o seguinte: artigo vem primeiro porque é usado antes de nomes/descrições/outros substantivos (I Ari/a jornalista/o amor). Final de palavra vem no fim porque é usado no final de palavra (não-bináriae/médica/tímido).

A alternativa A está incorreta por usar final de palavra também como artigo (o artigo especificado é i, não ae) e por usar delu ao invés de dilae, e a alternativa E está incorreta por usar dele ao invés de dilae. A alternativa D é a que está correta.

A segunda pergunta que eu gostaria de comentar é uma similar a esta:

Aline usa -/yla/(y, a) como conjunto de linguagem. Qual alternativa está aplicando corretamente tal conjunto?

A. Y Aline é umy bony cantory. Yla faz aulas desde criança.

B. Aline é uma boa cantora. Yla faz aulas desde criança.

C. A Aline é uma boa cantora. Yly faz aulas desde criança.

D. Aline é umy bony cantory. Yly faz aulas desde criança.

O traço (-) em um dos elementos do conjunto indica que a pessoa não usa nada em tal elemento, portanto as alternativas A e C já deveriam ser eliminadas logo de início. Porém, novamente, muitas pessoas não entendem bem a questão do final de palavra ser diferente de artigo, mesmo dentro do modelo artigo/pronome/final de palavra, e acabam achando que tais alternativas possam estar corretas.

Algumas pessoas parecem achar que o pronome yly pode estar correto, provavelmente por acharem que por Aline usar tanto o final de palavra y quanto o final de palavra a [é isso que (y, a) indica], Aline usa tanto yla quanto yly também? No entanto, não é assim que funciona. Se yla quisesse indicar que aceita os dois pronomes, a informação providenciada deveria estar como -/yla/a e -/yly/y, como -/(yla, yly)/(y, a) ou como alguma outra combinação que indicasse explicitamente o uso de ambos os pronomes.

Já vi gente questionando como a alternativa correta pode ser B, ainda que seja a única que sobrou, quando não usa o final de palavra y. Só que o uso do final de palavra a também é coerente com alguém que usa tanto y quanto a, assim como não há a obrigação de cada vez usar um pronome diferente para alguém que usa mais de um pronome (a não ser que a pessoa peça especificamente por isso). A alternativa B não usa artigo, usa yla como pronome e um dos finais de palavra indicados como final de palavra, e por isso é a única do grupo que está correta.

Há também uma última pergunta que eu gostaria de comentar, que é algo meio assim:

O conjunto que Iuri usa é ow/⚪/w. A alternativa que usa a linguagem correta para Iuri é:

A. ⚪ Iuri é umw meninw super legal! Ow me ajudou com meu livro ontem.

B. Ow Iuri é ⚪ super legal! Ow me ajudou com meu livro ontem.

C. Ow Iuri é umw meninw super legal! ⚪ me ajudou com meu livro ontem.

Ainda que Iuri use um pronome de emoji, tal pronome pode ser aplicado como qualquer outro. A maioria das pessoas que realmente usam pronomes de emojis (ou que usam números/símbolos/outros caracteres que não sejam letras do alfabeto latino) possuem pronomes alternativos pronunciáveis/com pronúncias mais intuitivas, para espaços que usam áudio, programas que leem telas/textos e afins. Mesmo assim, o objetivo da pergunta é a aplicação específica de um pronome de emoji, e aquelus que não conseguirem responder a pergunta apenas terão que responder outra em seu lugar, como é o caso das outras perguntas também.

(Também é possível usar símbolos/emojis/etc. em elementos além do pronome, mas nunca vi ninguém usando, e por isso só trago a questão do pronome como possibilidade.)

Enfim.

A alternativa A está basicamente usando o conjunto ⚪/ow/w. Uma alternativa equivalente se fosse o conjunto a/ela/a sendo requisitado seria "ela Iuri é uma menina super legal! A me ajudou com meu livro ontem".

A alternativa B usa o pronome no lugar de umw meninw, o que não faz sentido no contexto, onde umw meninw descreve Iuri (é como se fosse "a Iuri é ela super legal"). Também usa o artigo no lugar do pronome, na segunda frase.

A alternativa C é a correta. O emoji está sendo usado no lugar do pronome, o artigo é ow, e os finais de palavra são w.

Acho que a maior parte dos erros relacionados a esta pergunta vêm de achar que a presença de um emoji de alguma forma muda a estrutura do conjunto, e/ou que um emoji como pronome não é usado da mesma forma que um pronome como ela ou ele, ou mesmo como ael ou ily. Eu entendo ter dúvida entre usar algo como d⚪ ou aqu⚪, evitar contrações ou separar contrações (como em de ⚪ ao invés de d⚪), mas a pergunta não pede nada disso; apenas uma substituição de um pronome isolado.

A parte que eu reclamo da falta de inclusão nos materiais espalhados por aí sobre linguagem neutra/neolinguagem/linguagem pessoal

Há algumas confusões que não são específicas de uma ou outra pergunta, e que são expressadas com várias dessas perguntas:

"Não conheço esse pronome, só conheço feminino, neutro e masculino"

Infelizmente, tem um pessoal tão preocupado em "ensinar linguagem neutra" que joga pra debaixo do ônibus as pessoas que não se sentem bem categorizando os próprios conjuntos de linguagem ou usando conjuntos de linguagem considerados comuns ou aceitáveis.

Ninguém precisa conhecer todos os pronomes. O conjunto de linguagem está aí justamente para que pessoas possam se expressar sem terem que depender de outras pessoas conhecendo um gênero gramatical específico inventado para que houvesse concordância com tal pronome.

Se alguém usa i/éli/e, isso diz que seu artigo é i, seu pronome é éli, e seu final de palavra é e. Não é necessário decorar separadamente que "quem usa o pronome éli usa i como artigo, mas palavras como amigue, escritore, não-binárie e arromântique", porque estas informações estão já no conjunto. Isso também permite que pessoas que gostem do pronome éli e que preferem outros elementos no conjunto possam usar -/éli/e, li/éli/i, i/éli/i, ie/éli/el ou outras combinações.

Mas éli é um "pronome neutro"? Isso é uma pergunta que não só pode ter várias respostas, como também é irrelevante.

Alguém pode usar éli para se referir a pessoas que não conhece ou grupos, e dizer que então usa éli como pronome neutro. Alguém pode usar éli por ver o pronome como algo "no meio de" ela e ele mas que também é distinto de ambos, e então usar o pronome para si por remeter neutralidade em sua opinião pessoal. Alguém pode dizer que vê éli como um pronome mais masculino do que neutro, e que então usa por ser demi-homem. Alguém pode dizer que só vê elu como pronome neutro, por ser o mais usado para pessoas não conhecidas ou grupos.

Éli é um neopronome, assim como elu, ile, yla, el e tantos outros pronomes pessoais não legitimados pelas normas padrão da língua portuguesa. Éli faz parte da neolinguagem, assim como quaisquer outros neopronomes, e assim como artigos como u e le ou palavras que usam i ou y como terminações/desinências de gênero (ao invés de a ou o).

Conjuntos de linguagem pessoal são pessoais, e não precisam ter propósitos específicos fora fazer com que a pessoa se sinta bem ao ser referida de tal forma. Portanto, também não precisam se encaixar em categorizações, e mesmo quem categoriza os próprios conjuntos pode ter opiniões diferentes em relação a cada conjunto.

Meu ponto aqui é que não entender o motivo de alguém usar certo conjunto não é motivo para não usá-lo, e não deveria ser motivo para não conseguir usar um conjunto. Materiais que ensinam a "usar linguagem inclusiva de pessoas não-binárias" não deveriam só ensinar a usar o pronome elu e o final de palavra e como se fossem a única possibilidade de um outro "gênero gramatical", a ponto de "treinar" pessoas a não entender quem não se sente confortável em ter que escolher entre estas três opções fora de seu controle.

A troca entre artigo e final de palavra

Já apontei isso na seção com exemplos de perguntas, mas esse é um erro muito comum, e que também poderia ser menos comum se mais guias falassem sobre as diferenças entre artigos e finais de palavra, ou mencionassem conjuntos que possuem ambos os elementos explícitos e diferenciados. Afinal, mesmo quem só difunde um único conjunto de linguagem para ser usado como neutro geralmente é a favor de le/elu/e, ê/elu/e, ou mesmo u/elu/e, então há diferença entre o artigo e a terminação.

No entanto, não é só a questão de guias incompletos, porque é possível que pessoas cheguem no servidor sem ter tido contato com eles, e se confundam mesmo depois de terem recebido a instrução de ler um guia que oferece três exemplos diferentes onde há diferença entre artigo e final de palavra, e que também explica o motivo de artigo e terminação serem elementos diferentes. Não tenho outras sugestões para lidar com o problema, mas fica aí essa questão para quem quiser fazer materiais ou postagens sobre o assunto.

Também é possível que pessoas troquem outros elementos do conjunto, mas a troca entre artigo e terminação é a mais comum.

A confusão entre termos

Isso não necessariamente é algo sério ou que faz com que pessoas errem perguntas, mas é algo bem comum.

Linguagem neutra pode se referir a:

  • Um conjunto de linguagem que alguém usa para se referir a grupos e a indivíduos cujos conjuntos são desconhecidos;
  • Um conjunto de linguagem feito para ser usado para se referir a grupos e a indivíduos cujos conjuntos são desconhecidos, de forma que não aparente ser parcial a conjuntos associados com gêneros binários.

Dizer "por favor, use ze/elz/e para se referir a mim" não tem a ver com linguagem neutra, porque não é um pedido para que este conjunto seja usado para se referir a quaisquer grupos ou pessoas que não especificaram conjuntos.

Conjunto de linguagem (um termo que também pode ser reduzido como conjunto ou linguagem) se refere a um grupo de elementos usados para montar um "gênero gramatical". Artigo/pronome/final de palavra é um modo de expressar conjuntos (ou sistema), mas outros existem também.

Alguns exemplos de conjuntos de linguagem são a/ela/a, ele/e, elu/delu, -/-/- e ze/ume/eld/deld/minhe/éssie/e. Conjuntos de linguagem não são específicos de pessoas não-binárias, cisdissidentes ou NCL. Também não são específicos de indivíduos, já que podemos dizer que palavras como cadeira e lata usam a/ela/a na língua portuguesa padrão, ou que muitas pessoas usam o/ele/o como linguagem neutra.

Conjunto de linguagem pessoal (um termo que também pode ser resumido como conjunto de alguém, linguagem pessoal, etc.) é um conjunto que alguém escolhe para se referir a si, e que deve ser usado para respeitar a identidade e expressão pessoal de alguém. Maldenominar alguém (isto é, não usar os elementos do conjunto de alguém ou seus derivados para se referir à pessoa) é considerada uma ação cissexista.

Pessoas podem ter mais de um conjunto de linguagem pessoal. Pessoas podem usar "qualquer" ([qqr]/[q]/qlqr./etc.) ou "nenhum" (-) como elementos de conjuntos de linguagem. Pessoas podem colocar mais de uma possibilidade em apenas um conjunto de linguagem pessoal (como em -/{ele, ela}/e, le/{ile, elu}/{u, e} ou {ae, a, e}/elae/ae). Todas estas possibilidades fazem parte de conjuntos de linguagem pessoais, e podem fazer parte de conjuntos de linguagem em outros contextos também.

Neolinguagem se refere especificamente a "gêneros gramaticais" e seus elementos que só podem ser construídos fora das normas padrão da língua portuguesa, e exemplos de aplicações da neolinguagem se encontra em palavras como elu, todxs, alunae, dançarine e guardiany. Ou seja:

  • Elementos de conjuntos e outras palavras considerades obsoletes/não inclusives de pessoas que usam leitores de tela (como em pintorxs, tod@ e querid.s) fazem parte da neolinguagem;
  • Elementos de conjuntos e outras palavras considerades inclusives de pessoas que usam leitores de tela (como em ilu, pintore e namorady) também fazem parte da neolinguagem;
  • O quanto algo dentro da neolinguagem é aceito/usado por mais pessoas ou visto como "parte da linguagem neutra" é irrelevante em relação à palavra ou ao elemento ser neolinguagem ou não (le e ê são neoartigos, mas y e ol também são; elu, ile e elx são neopronomes, mas ilae, ély, eld e ale também são);
  • Certos elementos de conjuntos de linguagem podem ser neolinguísticos, mas nem todos são (a/ela/a e -/ele/a são conjuntos de linguagem que não usam neolinguagem, por exemplo).

O sistema artigo/pronome/final de palavra foi feito para facilitar a vida de quem quer usar neolinguagem em seus conjuntos, mas alguém que usa a/ela/a, o/ele/o, -/-/a, a/ele/o ou afins não está usando conjuntos que contém neolinguagem (mesmo quando possuem conjuntos diferentes dos padrões, como nestes dois últimos exemplos).

Além disso, alguém que usa e/elu/e, x/elx/x ou certos outros conjuntos está usando conjuntos que contém neolinguagem, por mais que sejam formas de neolinguagem mais aceitas em certos círculos (sendo que tais círculos nem são tão grandes assim).

Pronomes são uma classe gramatical com vários tipos e divisões, mas, em relação a conjuntos de linguagem, geralmente a palavra se refere aos pronomes pessoais retos da terceira pessoa do singular (não, ninguém tem a obrigação de decorar isso para respeitar a linguagem alheia). Ou seja: ela e ele, além de quaisquer neopronomes como ile, elu, el, eld, ila, éli, ily, êlu, élu, elae, ilo e ael.

Palavras como dila, dele e délu não são pronomes: são contrações entre a palavra de e um pronome (e é por essa e outras contrações que é recomendável usar ao menos um pronome que comece com vogal). -/ilu/u e o/ele/o não são pronomes; são conjuntos que contém pronomes, mas também artigos e finais de palavra.

Eu não estou dizendo essas coisas para envergonhar quem não lembra ou nunca aprendeu sobre classes gramaticais - a maior parte dos detalhes de nomes de classes é irrelevante - ou muito menos para atacar quem nunca aprendeu a terminologia correta em relação a termos cunhados em contextos não-binários pró-neolinguagem. É apenas uma questão de comunicação, que deveria ser levada a sério especialmente por quem pretende ensinar/fazer materiais sobre o assunto.

Se alguém me pergunta quais são meus pronomes, faz sentido eu responder que eles são eld, elz e éli. Se alguém me pergunta quais são meus conjuntos ou qual é minha linguagem, faz sentido eu responder que uso ze/elz/e, ed/eld/e e -/éli/e. Se alguém diz que "usa várias neolinguagens", eu não espero que isso signifique que a pessoa usa ambos os conjuntos a/ela/a e o/ele/o. Se alguém "usa pronomes le/ele/el", eu sinceramente não sei se a pessoa está falando sobre usar o artigo le, o pronome ele e o final de palavra el, sobre usar o artigo le e os pronomes ele e el, sobre usar le, ele e el como pronomes ou alguma outra combinação. Se alguém diz que não precisa expressar seu conjunto de linguagem porque "usa linguagem neutra", eu não sei se a pessoa usa -/-/-, ê/elu/e, e/elu/e, -/ile/e, x/elx/x, quaisquer conjuntos que utilizem neolinguagem ou alguma outra coisa.

Mais textos relevantes: separar linguagem entre “masculina”, “feminina” e “neutra” não é legal, não pergunte o motivo de alguém não usar/aceitar tal conjunto, motivos para não usar pronome/d[pronome] como indicação de conjuntos de linguagem, o que é neolinguagem?

Como quem quiser pode ajudar a diminuir dúvidas e erros em relação a conjuntos de linguagem e assuntos relacionados

Normalização: Caso você se sinta segure em relação a isso, use artigo/pronome/final de palavra quando for se introduzir, junto ao seu nome/apelido, em suas descrições de redes sociais, etc. Se você puder explicar o que cada elemento significa, ou colocar um link explicando, melhor ainda! Caso interesse, uma postagem com imagens que exemplifica vários conjuntos pode ser encontrada aqui.

Seria bom ver mais gente descrevendo coisas usando os termos que expliquei aqui como foram definidos. "Recomendo usar e/elu/e como linguagem neutra" é uma frase mais descritiva que "recomendo usar u/e como neolinguagem"; "queria conviver com mais pessoas que usam conjuntos com neolinguagem" é uma frase mais precisa que "queria conviver com mais pessoas que usam pronomes neutros". A/ela/a é uma forma mais precisa e curta de dizer "linguagem feminina", e o mesmo vale para o/ele/o e "linguagem masculina".

Também pode ser legal deixar explícito o conjunto usado como neutro em certos contextos, como em "neste grupo, vamos usar ê/elu/e como linguagem neutra" ao invés de apenas "neste grupo, vamos usar linguagem neutra".

Material: Alguns exemplos de guias de linguagem neutra inclusiva que falam explicitamente quais conjuntos estão utilizando podem ser encontrados aqui, aqui e aqui. Seria legal ver mais guias do tipo que não colocam a própria escolha de conjunto neutro como única possibilidade além de a/ela/a ou o/ele/o, ou como superior a quaisquer outras possibilidades.

Também existe bastante gente que discorda da utilização de elu como pronome neutro, e algumas pessoas que discordam de usar e como final de palavra neutro (e isso sem nem entrar na questão de artigo, já que quase não há consenso algum). É possível fazer guias falando do uso de i/íli/i, li/il/i, y/ély/y ou quaisquer outros conjuntos como neutros, defendendo seu uso sem atacar quem usa outros conjuntos de linguagem como pessoais ou como neutros.

Além disso, praticamente nenhum guia que ensina sobre neolinguagem/linguagem neutra fala sobre respeitar a linguagem pessoal alheia, e sobre usar artigo/pronome/final de palavra ou qualquer sistema igualmente ou mais completo. Não gosto de quando só mencionam a existência da possibilidade de usar o pronome ile ou éli além de elu, ao invés de falar que existem infinitas possibilidades de linguagem pessoal, e não só em relação a pronomes.

Enfim, há um vácuo muito grande sobre ensinar pessoas a respeitar linguagens pessoais diversas (sendo que estas estão aqui para ficar), e a não categorizar conjuntos como femininos/neutros/masculinos.

Divulgação: Além das páginas/postagens já citadas, aqui há uma série de links sobre neolinguagem, conjuntos, linguagem neutra e linguagem pessoal. Divulgação ocasional em conversas, fóruns, redes sociais e afins pode ajudar a ter mais gente em contato com o assunto.

Estas coisas podem não apenas ajudar pessoas a acertarem mais rápido a pergunta sobre conjuntos no servidor do Orientando, mas também a fazer mais pessoas entenderem quem disponibiliza os próprios conjuntos de linguagem, e a deixar pessoas mais confortáveis experimentando com o próprio conjunto de linguagem para achar algo que as façam sentir bem, e não apenas menos mal. Por isso, desejo muito ver mais entendimento sobre o assunto no futuro!